Se tornando membro da English Heritage

O post de hoje é para você, residente do Reino Unido, mas também é para você que ama a história do Reino e adora visitar uma propriedade com data tão antiga que nos remete aos contos de fada, com tanta história, que transborda o coração de alegria ao saber que pisou no mesmo lugar que um monarca importante e/ou esteve no mesmo lugar que um vilão foi enforcado ou decapitado. Sim, irei falar do que mais gosto de visitar em minhas andanças: castelos, palácios, prisões medievais, enfim, propriedades históricas.

Confesso que, desde que me mudei para a Inglaterra, fiquei um pouco obcecada pela história da monarquia e a construção social do país mas, gente, quando alguém se muda para um país com tanta história e onde um dos monarcas mais famosos – e que não foi o primeiro – tem mais idade do que o que chamam de descobrimento do Brasil, não tem como não deixar a sede pelo conhecimento tomar conta, concorda?

Pois bem, eu, professora, curiosa, não consegui me conter. Foram muitos livros adquiridos em livrarias e charity shops (lojas de caridade), mas não foi o suficiente para me contentar. Definitivamente eu precisava pisar nesses lugares. Porém a grana é curta e como diriam os Mamonas Assassinas: “Money que é good, nós num have“. Então irei falar da forma que encontrei para baratear os custos das minhas visitas: foi assim que conheci o English Heritage.

Aqui na Inglaterra existem duas instituições – que eu conheça –  que fazem este trabalho de manutenção de propriedades históricas para manter viva a história do país. São elas o National Trust e o English Heritage. Para saber sobre o primeiro você pode clicar aqui e ler o que a Maria Eduarda escreveu sobre ele. Hoje, irei falar sobre a instituição que escolhi para me associar.

O que é o English Heritage?

Como eles mesmos se autodenominam, esta é uma instituição que coloca os interesses de preservar e manter a cultura inglesa em primeiro lugar. De pouquinho, começaram no início do século 19 e hoje já contam com mais de 400 propriedades das quais cuidam, conservam e mantêm para contar história.

No início da história da instituição, a preservação cultural da história inglesa era responsabilidade do departamento de arquitetura, mas em 1913 – através de um ato do Parlamento – este teve que começar a aumentar a sua coleção com terrenos e construções que contassem a história britânica. Em meados dos anos 1930 algumas construções conhecidas, como o Stonehenge, já faziam parte da coleção e contar suas histórias se tornava cada vez mais importante, assim como sua manutenção.

Ao final da Segunda Guerra Mundial o governo determinou que a manutenção dessas propriedades estava ficando muito custosa e decidiu que algumas delas passariam para os cuidados do National Trust, o que irritou um bocado o Ministry of Works. Apenas em 1983 esta coleção se tornou parte da Cultura Nacional da Inglaterra e passou a ser chamada de “Comissão de prédios históricos e monumentos” (Historic buildings and monuments commission), o que não era um nome nada convidativo; por isso, decidiram renomeá-la como a conhecemos atualmente, English Heritage.

O trabalho da instituição consiste em cuidar das coleções de propriedades históricas, manter a cultura inglesa viva e fazer funcionar o sistema de proteção à cultura nacional. Esse trabalho foi sendo desenvolvido com cada vez mais cuidado e carinho e algumas mudanças foram feitas para auxiliar a angariar fundos para a manutenção dos prédios, criando-se o que hoje se conhece como membros associados (membership).  Em 2015, o governo concordou em conceder fundos destinados às instituições de caridade caso a instituição se tornasse uma delas e, desde então, assim foi feito.

Como ser membro?

Antes de começar a falar sobre formas de se associar ao English Heritage, gostaria de deixar bem claro que não ganho nada com a propaganda; estou apenas falando sobre algo em que eu sou membro associado. Usufruo das propriedades da instituição e indico para amigos que se mudam para cá e que gostam de vivenciar parte da história. Dito isso, voltamos à programação normal.

membros-eh.jpeg
Carteira de membros do English Heritage

Normalmente, nos associamos a instituições pelo período de um ano. Porém, o que acho muito interessante nesta é que você não precisa ser residente do país para adquirir: o Overseas pass  pode ser comprado para 9 ou 16 dias pela terra da rainha. O valor do passe (preço válido até 31/03/2017) é de £30 e £36, respectivamente, e se você está pensando em fazer algumas visitas a sítios históricos, vale a pena o custo benefício.

Mas você, residente da parte inglesa da ilha, também pode fazer o seu passe anual e aproveitar. Lembra que falei que os ingleses têm por hábito passear ao ar livre, sentar para piqueniques no parque e levar crianças e cachorros para lá? Então, quer melhor lugar para fazer isso que um castelo medieval e com direito a um tour  guiado e beber um pouco da cultura local?

Aqui pertinho da minha casa tem um castelo conhecido como Kenilworth Castle e já falei dele em posts anteriores (clique aqui); foi neste local que me associei a essa instituição. Neste castelo é possível vivenciar um pouco da era Tudor, pois foi nesta época que ele teve seu maior uso – você poderá pisar nos mesmos degraus em que pisou a rainha Elizabeth I, curtir a mesma vista que a monarca teve e subir em suas torres ou ruínas, no caso. E no verão, funcionários qualificados remontam fatos históricos e convidam o público a participar. Sinceramente, é uma atração com foco nas crianças, mas não existe a possibilidade de não se deixar envolver: meu marido foi, inclusive, julgado em uma dessas montagens, quando visitamos o castelo com amigos. Foi impagável!

Kenilworth Castle
Jardins do castelo de Kenilworth em homenagem a Elizabeth I. Foto do arquivo pessoal

Além das encenações o English Heritage organiza eventos na Páscoa para a caça aos ovos e eventos em castelos amaldiçoados para o Halloween; celebram-se os dias de primavera, verão e cada vez mais esses eventos vêm atraindo visitantes e membros para manter a cultura sempre viva. Eu, particularmente, acho o máximo manter a história de um lugar viva, fazer seus residentes entenderem a construção do país, a importância da manutenção dos locais e sua história, a organização monárquica, ou apenas ter um dia de descanso com uma paisagem de deixar de queixo caído, podendo levar crianças, animais de estimação e curtir um prazeroso e cultural dia com família e amigos.

Levando em consideração que o membro pode visitar os sítios da instituição quantas vezes quiser, só de visitas ao Castelo de Kenilworth e ao Stonehenge, sempre que temos alguma visita em casa, o passe anual já está pago. Isso, sim, foi investimento cultural!

Texto originalmente publicado na minha participação mensal no blog Brasileiras pelo Mundo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s