Quero morar fora. O que fazer?

Hoje irei falar um pouquinho sobre a vida de expatriado e o que podemos fazer para morar fora. Tenho recebido, tanto aqui no blog quanto no Brasileiras pelo Mundo, muitos emails e comentários sobre pessoas que tem o desejo de imigrar para a Inglaterra, com isso comecei a perceber que isto vem aumentando cada dia mais e mais. Sim, eu sei como está a situação do Brasil e não, não acho que isto seja motivo para sair desesperado para qualquer outro país.

“Ah, mas você mora fora!””Ah, morando na Inglaterra é fácil!””Você fala isso, mas não volta para o Brasil”. Essas foram algumas das frases que já ouvi quando não incentivo qualquer pessoa a imigrar loucamente e também é o que muitas amigas (também colunistas deste blog de brasileiras expatriadas pelo mundo) ouvem e leem quando não incentivam este tipo de comportamento.

Não, gente, ninguém está tentando ser esnobe. Ninguém está querendo se sentir superior por morar no exterior, até porque isto nem é motivo para o mesmo, e a intenção é apenas alertar que a vida de imigrante não é nada fácil. Se não tá fácil sendo cidadão do país, imagina para quem não é, né!

PASSAPORTE
Fonte pixabay.com

Então irei divagar um pouquinho sobre ideias para ajudar a organizar o pensamento de quem tem esta intenção de morar fora, seja para tentar a vida, fazer um intercâmbio, vivenciar a cultura, agregar conhecimento, etc, etc, etc.

  1. Sempre tenha documentos! Sim, gente, ser ilegal não é legal e pessoas que não foram nascidas no país e/ou possuem dupla nacionalidade não podem chegar chegando e achar que podem (re)construir a vida em um novo país. Existem algumas formas de estar documentado e é necessário muita pesquisa de como isto pode ser feito, caso você não tenha dupla nacionalidade.
  2. Defina para onde você quer imigrar e aprenda a língua do lugar! Amigos queridos, se vocês não falam norueguês, por exemplo, o que vocês querem fazer na Noruega? Falar a língua do país é imprescindível e alguns lugares – como  os Emirados Árabes e a China – , até aceitam não falar a língua local, mas dominar o inglês é essencial para viver e sobreviver. Um bom intensivo da língua em um curso de idioma no país escolhido ajuda bastante a aprimorar a parte linguística e conhecer um pouco do local, costumes, aspectos religiosos, etc.
  3. E o mais importante: Veja as formas que você pode ficar lá, seja por visto de estudante, dupla cidadania, visto de cônjuge e/ou parceiro civil, visto de trabalho, como é o processo e se é possível, alguns países são mais fáceis que outros e alguns tem faltas de determinadas profissões (as listas podem ser encontradas em sites oficiais do país).Este fator é bem importante, ainda mais levando em consideração a crise migratória que o mundo está vivenciando. Muitos países estão com políticas bem rígidas e cada vez mais,e se você for pego indocumentado e deportado, não pisará mais no país por alguns longos anos.

    REFUGEES
    Fonte pixabay.com
  4. Reserva financeira. Este para mim é um dos fatores mais importantes e comprometedores de uma imigração. Sim, precisa se programar e pensar cada imprevisto. Aconselho uma reserva financeira de pelo menos UM ano para poder lidar com qualquer imprevisto e dentro desta reserva separe aluguel, comida, e amenidades diárias.
  5. Pesquise MUITO sobre o país. Gente, não é brincadeira isso. Por exemplo, a Inglaterra é um país frio e isso faz com que as nossas lindas roupas invernais do Brasil não sirvam aqui e isto é um investimento que precisará ser feito no início de uma nova vida e sim, isso é um bom gasto. Não são só roupas, é calefação, é cobertor novo, é adequação ao clima. Você já ouviu falar na Febre do Feno (Hay fever)? ela é muito comum na primavera e se você desenvolver este tipo de alergia será mais um gasto e não tem como saber se temos no Brasil, pois não temos uma primavera com tanto pólen como a daqui.
  6. E empregos? O país está em crise? A economia está crescendo? Lembre-se que se você não tem dupla cidadania e/ou sua profissão não está na lista de mão de obra escassa, você nunca será a primeira opção do contratante, então pode ser um pouco frustrante o início da vida.
  7. Sistema de saúde. Você sabe como funciona o sistema de saúde do país? Você precisa pagar? O seu tipo de visto permite usar a saúde pública? Aqui na Inglaterra, o europeu e familiares diretos não precisam pagar, mas quem vem com visto de trabalho necessita ter este gasto. Ninguém vai te negar atendimento em país nenhum, mas a sua conta pode ser bem alta e vale lembrar que o real não está no auge da valorização para poder arcar com os custos de uma operação em uma moeda mais valorizada que a nossa, né?
  8. Acostume-se com o vazio no peito. Sim, a saudade é quase insuportável e a vida de imigrante traz isso e com força. Não tem amigos de infância, não tem família perto, não tem mais as festas de aniversário, as conversas diárias ao telefone, não tem mais o barzinho com os amigos, encontros inusitados na rua, encontros inesperados. Não tem como pegar um avião e cruzar o oceano sempre que sentir saudades. Tem muitas perdas no caminho, de pessoas queridas, que você vai ter que aprender a lidar e distante dos seus.

Calma, a vida de quem imigra não é só tristeza, viu? E não é para desencorajar ninguém a viver o seu sonho, mas que o faça de forma organizada, planejada e centrada. Tem muita coisa boa de viver fora do Brasil, tem as pequenas fronteiras, as passagens baratas, os novos amigos, os novos aprendizados, a invenção e reinvenção do seu novo eu, é reconstruir a vida, é aprender que todos os países também tem seus podres e uma política suja e corrupção. É estar sempre aprendendo algo novo e ter esta oportunidade é fantástico e aconselho, ainda mais quando venho lendo tanta gente falando tão mal do Brasil e sem ao menos conhecer os outros país e seus problemas.

Morar em outro país não é nada fácil, mas a vida é feita de escolhas e renúncias e hoje ainda escolho ser expatriada. Ainda escolho continuar aprendendo, crescendo e amadurecendo.

E boa sorte para todos nós!

Nos acompanhe também nas nossa mídias

Já nos segue no Instagram? @arrumeiasmalaseparti

E no Facebook? /arrumeiasmalaseparti

SUNSET

 

Anúncios

2 comentários sobre “Quero morar fora. O que fazer?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s